4 de mar de 2013

Sistema Nervoso


Sistema Nervoso

Funções Básicas
Para que, no nosso corpo, os diversos aparelhos (digestivo, urinário, cardiovascular, etc.) funcionem de forma adequada, temos 2 grandes sistemas reguladores: o sistema endócrino e o sistema nervoso.
O sistema endócrino controla as diversas funções de nosso organismo principalmente interferindo no metabolismo (de diversas formas).
Já o sistema nervoso é o principal regulador de nossas funções, exercendo controle sobre quase todas as atividades ou eventos que ocorrem a cada momento no nosso corpo. Tal controle é feito através da transmissão de impulsos que percorrem os diversos circuitos neuronais e liberação de mediadores químicos através das numerosas terminações encontradas nas células nervosas.
Em nós, humanos, o sistema nervoso atingiu o mais alto e sofisticado grau de desenvolvimento (quando comparado com o de outros animais mais inferiores) possibilitando que executemos atividades bastante complexas como pensamento, planejamento, emoções, comunicação pela fala e pela escrita e, com isso permitindo que continuemos a aprofundarmos cada vez mais no nosso conhecimento e nas nossas possibilidades de sobrevivência.

FUNÇÕES BÁSICAS DO SISTEMA NERVOSO
Podemos dizer que o sistema nervoso exerce suas atividades através de 3 funções básicas:
Função Sensorial
A todo momento nosso sistema nervoso recebe milhares de informações oriundas de receptores espalhados por todo nosso corpo, dos mais variados tipos e adaptados a excitarem-se aos mais variados tipos de estímulos.
Dessa forma, informações como visão, audição, olfato, tato, gustação constantemente atingem nosso cérebro informando-o do que se passa com o nosso corpo.
Além das informações acima, que chegam inclusive à nossa consciência, numerosas informações chegam a todo instante e nem sequer atingem áreas relacionadas à consciência, mas informam o sistema nervoso a respeito da situação do corpo a cada momento. Ex.: Receptores localizados na parede de grandes vasos excitam-se com a distensão dos mesmos, quimioceptores excitam-se quando certas alterações químicas (como redução da concentração de oxigênio ocorre no meio ou quando a concentração de certos íons ultrapassa certos níveis) ocorrem e enviam tais informações ao sistema nervoso central, etc.
Função integrativa
Através desta função o sistema nervoso nos permite processar as informações recebidas a cada instante, armazená-las em bancos de memórias ou mesmo utilizá-las associando-as às novas sensações recebidas a cada instante. Através da função integrativa o sistema nervoso também nos permite pensar, raciocinar, calcular, planejar, sentirmos emoções, etc.
Função motora
Com esta função o sistema nervoso controla nosso corpo, comanda as contrações dos diversos músculos, sejam os mesmos esqueléticos, cardíaco ou lisos, controla as secreções das diversas glândulas, endócrinas ou exócrinas, controla o tônus vasomotor ideal a cada instante, o ritmo respiratório ideal, o peristaltismo intestinal e muito mais.

NEURÔNIOS
Para executar suas funções, nosso sistema nervoso funciona como um verdadeiro processador de dados, como um computador.
Como num computador eletrônico, as informações trafegam a todo instante através de verdadeiros e complexos circuitos. Mas, diferente de um computador eletrônico, os circuitos são formados por células vivas, feitas de material orgânico, carboidratos, proteínas e gorduras, que se comunicam umas com as outras através da liberação de substâncias químicas (os mediadores químicos) em suas extremidades. As informações trafegam, ao invés de condutores ou cabos, como num aparelho eletrônico, através de fibras nervosas, na forma de impulsos nervosos (potenciais de ação, que se propagam ao longo do axônio da célula nervosa).
As células responsáveis por todo o processamento de informações no sistema nervoso são denominadas neurônios. Existem mais de 100 bilhões dessas células em nosso sistema nervoso. São células excitáveis e, quando excitadas, despolarizam-se e a despolarização, cada vez que ocorre,  propaga-se ao longo de um prolongamento da célula, o axônio. Na extremidade do axônio existem numerosas ramificações (dependendo da célula, o número de ramificações axônicasvaria desde algumas centenas até algumas centenas de milhares ramificações num único axônio). Cada ramificação axônica termina de forma dilatada e libera, com a chegada de cada potencial de ação, mediadores químicos em sua extremidade, através de sua membrana. Tais mediadores, em contato com a membrana de um outro neurônio, alteram a permeabilidade da membrana desta outra célula excitável a certas substâncias dissolvidas no líquido intra ou extra celular (sódio, potássio, etc.), tornando-a mais excitável ou mais inibida, dependendo das características da substância química liberada e dos receptores localizados na membrana da célula receptora. 
A comunicação entre uma célula excitável e outra célula excitável, através da liberação de mediadores químicos, denomina-se sinapse. Portanto, através de numerosas sinapses os neurônios comunicam-se uns com outros. Num único neurônio podem existir até milhares de sinapses.

Fonte: http://www.sogab.com.br/floresdias/fisiologiasistemanervoso.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Distúrbios de Aprendizagem

Loading...

Psicopedagogia

Loading...

Dislexia

Loading...

TDAH

Loading...

AEE

Loading...

Língua Portuguesa

Loading...

Cérebro

Loading...

Minha lista de blogs

Revista INCLUSIVE

div id=Inclusive-Widget>