16 de mar de 2015

O BRINCAR COMO RECURSO TERAPÊUTICO OCUPACIONAL COM PARALISIA CEREBRAL


Na fase de 0 à 1 ano, o objeto de maior atenção da criança, é o corpo e suas brincadeiras com ele, a descoberta de partes deste corpo, seu calor, equilíbrio e segurança. Somente com o tempo é que a criança utiliza-se de regras em seus jogos, onde começa a denominar objetos e suas funções. Para as crianças nesta fase, os brinquedos servem de estímulos visuais (percebe cores, movimentos e formas), gustativos (leva os objetos à boca reconhecendo-os), táteis (percebe materiais e texturas). Com estes estímulos ela aprimora sua coordenação motora ampla e fina, onde irá segurar, balançar, jogar. Com a exploração dos brinquedos, ela aprende sobre as qualidades dos objetos um em relação ao outro, sendo capaz de fazer escolhas e desenvolver habilidades intelectuais, emocionais e de comunicação.

A aprendizagem do mundo, para a criança torna-se possível através do que ela ouve, vê, toca e prova, dependendo de alguém que interaja com ela, fornecendo ajuda quando necessário.

Através dos marcos do desenvolvimento normal da criança iremos observar o quanto a criança irá adquirindo movimentos e posturas que facilitaram a exploração dos objetos (brinquedos), que lhes são oferecidos. Para que isso ocorra é fundamental a colaboração dos pais estimulando esta criança.

A criança necessita apenas ser auxiliada para ter a oportunidade de descobrir e aprender, interagindo com o ambiente, buscando a propriedade e função dos objetos, manipulando e transformando-os. Aos terapeutas cabe fornecer dicas aos pais para facilitar o brincar, ressaltando a importância de brincar e fazer com a criança e não por ela. È importante a realização de uma análise das propriedades e características do brinquedo, procurando adaptar a manipulação e exploração deste à capacidade individual da criança, como, por exemplo: um brinquedo pequeno que caiba na mão, um pesado para estimulação proprioceptiva; um leve o suficiente para que se mova ao menor toque, etc. Além de apresentar essas propriedades, o brinquedo precisa oferecer desafios inicialmente fáceis de serem superado, instigando a criança à resolução dos problemas, superando gradativamente os obstáculos. È essencial que o terapeuta tenha domínio sobre o desenvolvimento cognitivo e programe atividades que sejam pertinentes à fase na qual a criança está.

Problemas associados


Citaremos apenas as que mais freqüentemente se manifestam:

-Epilepsia: é comum ocorrerem convulsões ou crises epilépticas, de maior ou menor intensidade e dentro das mais variadas formas desta manifestação neurológica, sendo mais comuns no período pré-escolar, estando associadas ao prognóstico e à evolução de outros problemas que atingem um paralisado cerebral.

-Deficiência Mental:com uma ocorrência de aproximadamente 50% dos casos, tem levado a distorções e preconceitos acerca dos potenciais destes portadores de deficiência, devendo-se diferenciar os diversos graus de comprometimento mental de cada criança, baseando-se em acompanhamento especializado e evolutivo das mesmas.

-Deficiências Visuais: ocorrem casos de baixa-visão, estrabismos e erros de refração, que podem ser precocemente diagnosticados e tratados, com bom prognóstico oftalmológico, devendo-se intensificar sua diagnose com os novos avanços em tecnologia e a correção preventiva de danos com uso de lentes [óculos] ainda nos primeiros anos de vida.

-Dificuldades de Aprendizagem: as crianças com P.C. podem apresentar algum tipo de problema de aprendizagem, o que não significa que elas não possam ou não consigam aprender, necessitando apenas de recursos aprimorados de Educação Especial, integração social em Escolas Regulares, uso de Recursos Tecnológicos, a exemplo do uso de Computadores e outros aparelhos informatizados para o estímulo e a busca de meios de comunicação e aprendizagem inovadores para PC.

-Dificuldades de Fala e Alimentação: devido à lesão cerebral ocorrida, muitas crianças com P.C. apresentam problemas de comunicação verbal e dificuldades para se alimentar, devido ao tônus flutuante dos músculos da face, o que prejudica a pronúncia das palavras com movimentos corretos, podendo-se recorrer a tratamentos especializados e orientação fonoaudiológica, a fim de minimizar e até resolver alguns destes distúrbios. E para as crianças que não falam, já contamos com os comunicadores alternativos e as linguagens através de símbolos, como o método Bliss, que associados aos recursos informatizados podem auxiliar, a exemplo dos sintetizadores de fala, a expressão dos pensamentos e afetos de um paralisado cerebral.

-Outros problemas: dificuldades auditivas, disartria, déficits sensoriais, escoliose, contraturas musculares, problemas odontológicos, salivação incontrolável, etc...: Todos estes problemas podem surgir associados ou isoladamente na dependência direta do tipo de PC que a criança apresentar, já que seus déficits motores afetam sua psicomotricidade e seu comportamento emocional e social, que podem resultar num desenvolvimento global atrasado, que muitas vezes ainda é confundido com capacidade cognitiva pobre, gerando uma imagem preconceituosa sobre as capacidades e potencialidades para vida independente e autônoma de portadores de Paralisias Cerebrais.

domingo, 4 de abril de 2010

Terapia Ocupacional e Paralisia Cerebral


O profissional da terapia ocupacional (T.O.) tem um papel importante junto à criança com PC, por fornecer condições para o estabelecimento e efetivação de programas de tratamento que visam a facilitação do movimento, favorecendo assim as experiências e aprendizado sensoriomotores, estimulando aspectos cognitivos, auxiliando na adaptação e execução das AVDs, incentivando o brincar e o lazer, tornando a criança agente em seu processo de desenvolvimento.
O primeiro passo para o ingresso à qualquer terapia é a avaliação, no caso da PC, alguns aspectos particulares devem ser observados como: alterações no tônus muscular, capacidade de estabelecer controle seletivo de movimentos, manutenção de posturas, realização de mudanças posturais, desempenho funcional de membros superiores e coordenação visomotora, habilidades cognitivas, desempenho e integração das funções sensoriais. É importante para o terapeuta ocupacional conhecer o contexto em que a criança está inserida, a condição econômica, social e emocional da família, a fim de possibilitar que o tratamento seja traçado em conjunto com a família, que é parte fundamental da equipe de trabalho.
A avaliação inicia com a coleta de dados com o familiar e/ ou cuidador, onde são questionadas situações de rotina (AVDs), comportamento, interação com pessoas, objetos, lazer, relacionamentos sociais, além de observar, desde a chegada, como essa criança é tratada, se necessita auxílio, que tipo de auxílio e de que forma este auxílio é prestado. Posteriormente faz-se a análise da criança executando as atividades, como o aspecto motor atua na sua realização, quais as dificuldades encontradas, a fim de avaliar a necessidade de adaptações para facilitar o “fazer”.

É importante que a família compreenda que a proposta de tratamento é baseada em um trabalho motivador, que buscará evidenciar o potencial da criança.
O trabalho da terapia ocupacional com a criança com paralisia cerebral é caracterizado pela busca de soluções para os aspectos do comprometimento motor que interferem na realização das atividades funcionais, além do estímulo às demais áreas deficitárias. Uma habilidade fundamental ao T.O., em se tratando de PC, é a sensibilidade, pois assim poderemos perceber as respostas do indivíduo e modificar nosso toque de acordo com o “feedback” recebido.
Outro fator importante é a intervenção precoce, ou seja, deve-se iniciar o processo de reabilitação o quanto antes. Com bebês paralisados cerebrais, a proposta básica de atividades é a descoberta de si e do meio pelo movimento, e do fazer ganhando aquisições da fase sensoriomotora, além das orientações à família, relacionadas à posicionamento adequado, conduta e manejo.
Muito importante também é a estimulação visual, ema vez que a visão tem influência no fortalecimento do controle cervical e ativação das reações de retificação e endireitamento, levando a cabeça para a posição vertical. Não é raro encontrar deficiência visual associada à PC, decorrente dos distúrbios do tônus, também encontrados nos músculos oculares. O estímulo visual apresentado “de frente”, favorece o alinhamento da cabeça e olhos na linha média, proporcionando a movimentação dos membros superiores na tentativa de exploração manual e oral dos objetos.
Em relação ao déficit motor nos membros superiores, pode-se desenvolver dispositivos que facilitem o manuseio de utensílios, materiais escolares, vestuário, além da confecção de órteses, a fim de evitar deformidades, ou até mesmo substituir alguma função.
Enfim, a T.O. tem muito a contribuir para o desenvolvimento da criança com paralisia cerebral, mas é importante ressaltar que o trabalho deve ser de uma equipe multidisciplinar com fisioterapeuta, fonoaudiólogo, psicólogo, terapeuta ocupacional e em muitos casos psicopedagogo para auxiliar questões escolares, todos trabalhando juntos para o melhor desenvolvimento possível da criança em questão, além de dar suporte especializado à família.

Fonte:www,apaebrasil.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Distúrbios de Aprendizagem

Loading...

Psicopedagogia

Loading...

Dislexia

Loading...

TDAH

Loading...

AEE

Loading...

Língua Portuguesa

Loading...

Cérebro

Loading...

Minha lista de blogs

Revista INCLUSIVE

div id=Inclusive-Widget>